ASCENSÃO DO CRIOULO CABO-VERDIANO: ESCOLHAS E/OU RESISTÊNCIA

O crioulo cabo-verdiano surgiu imerso em um contexto sociocultural e linguístico particular que se encarregou de molda-lo conforme as necessidades comunicacionais emergentes no Arquipélago. Adequado a vida diária dos cabo-verdianos, o crioulo se apresenta como expressão cultural e linguística do próprio falante cabo-verdiano, representando-o como pertencente ao Arquipélago. Apresentamos, neste estudo, uma discussão sobre a pertinência da ascensão do crioulo cabo-verdiano, bem como um argumento sobre a importância da sua oficialização. Sob essa perspectiva, abordaremos a temática a luz das políticas linguísticas, com base em conceitos de língua, cultura e identidade. Considerando o cenário bilíngue como o de Cabo Verde é importante promover reflexões que viabilizam a valoração legal de uma língua que sobreviveu sob um olhar que a menorizava e, por vezes, a menoriza, no sentido em que o crioulo tem resistido e se auto afirmado em um ambiente que não o tem como língua oficial.

ASCENSÃO DO CRIOULO CABO-VERDIANO: ESCOLHAS E/OU RESISTÊNCIA

DOI: 10.37572/EdArt_29012127918

Palavras chave: Crioulo cabo-verdiano. Língua minoritária. Língua oficial.

Keywords: Cape Verdean Creole; Minority language; Official language.

Abstract:The Cape Verdean Creole language was formed immersed in a particular sociocultural and linguistic context which shaped it according to the emerging communicational needs in the Archipelago. Suitable for the daily life of Cape Verdeans, Creole is a cultural and linguistic expression of the Cape Verdean speaker itself, representing it as belonging to the Archipelago. We present, in this study, a discussion about the relevance of the rise of the Cape Verdean Creole language, as well as an argument about the importance of its officialization. From this perspective, we will approach the theme in the light of linguistic policies, based on concepts of language, culture and identity. Considering the bilingual scenario like that of Cape Verde, it is important to promote reflections that enable the legal valuation of a language that has survived under a view that misjudged it and, at times, underrated it, in the sense that Creole is resisting and asserting itself in an environment that does not have it as an official language.

Autores

  • Ivonete da Silva Santos
  • Maria Helena de Paula